Contato
  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • RSS - Black Circle
contato@mulheresemfoco.com.br
Rua Semi-Gebara, 2-40
Bauru - SP- Brasil

Conteúdo protegido por direitos autorais.

Proibida a reprodução total ou parcial sem

autorização expressa do autor.

Copyright © 2017 

Mulheres em Foco

Redes Sociais
Destaque
  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • RSS - Black Circle

Teste comportamental: autoconhecimento para profissionais de sucesso

19.05.2019

1/10
Please reload

Please reload

Isso não é um elogio!

 

Nós mulheres tememos andar pelas ruas sozinhas,temos nossa liberdade limitada e vivemos com medo de sermos assediadas, violentadas e estupradas. É o que mostra uma pesquisa realizada em 2013 pela ONG Think Olga, os dados revelam

que 99% das 8 mil mulheres entrevistas já foram assediadas.

 

É muito importante falarmos sobre esse tema para que o assédio deixe de ser naturalizado por nossa sociedade machista, como mostra o documentário Isso não é um elogio. A obra entrevista jovens, apresentando a perspectiva feminina e a masculina do que muitas vezes é considerado assédio para nós mulheres, mas é visto como "elogio" na visão e nos discursos masculinos.

 

Criado por cinco jornalistas, a narrativa propõe ao público uma reflexão a partir dos depoimentos dados por mulheres, que mostram em seus discursos como as famosas "cantadas" são invasivas, incomodam e ferem a liberdade feminina. 

 

Para Isabel Silva uma das produtoras do documentário "assédio é a invasão à liberdade do outro por meio do constrangimento, violência psicológica, física ou sexual, ou ferindo sua moral". Thais Viana idealizadora do documentário destaca que no Brasil a "cantada" é naturalizada como elogio, fazendo com que o tema seja difícil de ser debatido. "Portanto, pensamos em dar voz para as mulheres para que elas falassem o que sentem a respeito disso".

 

Elas, assim como milhares de mulheres também já foram vítimas de assédio. Isabel de 25 anos confessa "já sofri diversas vezes assédio na rua, no transporte público, em festas, no próprio ambiente acadêmico e até mesmo por pessoas que se diziam amigos e apoiadores das causas feministas".

 

Thais de  25 anos foi vítima de assédio por um colega de trabalho "eu tentava evitar de ir embora com ele, com medo de ser atacada ou constrangida com palavras. Eu tentava sempre sair escondida do trabalho ou me escondia na portaria para que ele não me visse e me acompanhasse".

 

 

Chega de "psiu", "delícia", "gostosa". Nós mulheres queremos ser respeitadas e poder andar pela rua sem medo. Queremos poder vestir a roupa que quisermos, sem que a sociedade julgue que nós merecemos ser assediadas e estupradas. Queremos liberdade e igualdade!

 

Mais do que mostrar o que é assédio, o documentário também busca conscientizar os  homens como é errado esse tipo de comportamento e como ele é prejudicial as mulheres. É preciso lembrá-los que eles também são filhos e podem ser pais. E ensiná-los o respeito ao próximo, afinal quando uma piada só tem graça para uma das partes, não é piada, é assédio! 

 

No Brasil, as chamadas "cantadas de rua" podem ser registradas na delegacia como importunação ofensiva ao pudor  (assédio cometido por meio de palavras e gestos), sendo um delito de menor potencial ofensivo, com penas muito baixas. Mas se o agressor mostrar as partes íntimas, simular atos sexuais, o delito será caracterizado como ato obsceno, que é considerado crime, com pena de detenção de três meses a um ano ou multa.

 

A forma mais grave de assédio é o estupro, que acontece quando ocorro o toque nas partes íntimas ou seios das vítimas sem o consentimento, pois a legislação brasileira também considera estupro quando ocorre a prática de ato libidinoso.

 

Sofreu assédio? Denuncie!!

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload